E meus arquivos antigos em Adobe Pagemaker?

PUBLICADO EM 3 de abril de 2019

Eduardo Meneses

Eduardo Meneses

Eduardo Meneses é Bacharel em Desenho Industrial (Design Gráfico) pela Universidade de Brasília – UnB (1994-1999). Fundou a empresa Quiz Design em outubro de 2001. Nesses mais de 15 anos de experiência desenvolveu vários projetos de identidade visual para empresas e eventos, projetos de sinalização, projetos de design editorial (revistas e livros) e design para embalagens. Possui know-how no atendimento à micro e pequenas empresas e organizações do governo. Conhece amplamente os processos de pré-impressão e controle de qualidade na produção de peças de design. Dispõe de proficiência no pacote de aplicativos Adobe Creative Suite (Illustrator, Indesign, Acrobat e Photoshop).

Artigos
1

Para quem está no mercado de design ou de publicidade a pouco tempo, provavelmente nunca ouviu falar em Adobe Pagemaker, muito menos já trabalhou com ele. Mas esse foi um software que marcou história no desktop publishing na década de 1990. Era bem simples de trabalhar com ele e era concorrente direto do QuarkXPress. Este último tinha uma fama de não ser tão amigável quando o Pagemaker, um dos motivos da preferência de muitos profissionais. Na realidade, o Pagemaker não era um produto criado pela Adobe Systems, e sim pela antiga Aldus, em 1985. Salvo engano, em 1995 o produto foi adquirido pela Adobe. Seu sucessor, o Adobe InDesign nasceu com o “codinome” de K2, depois mudaram para o nome atual, isso em 1999. Durante um tempo, os dois produtos Adobe andaram juntos no mercado, até o Pagemaker ser descontinuado, em 2004.

Mas, chega de história e vamos direto ao assunto… o que fazer com meus antigos arquivos no formato .PMD? Pensei nisso, porque recentemente precisei recuperar uns arquivos antigos nesse formato. E logo descobri que as versões do Adobe Indesign CC não abrem mais esses arquivos. Mas, e aí? O que fazer?

Comecei uma pesquisa na internet pra saber se tinha alguma forma de resolver o problema. Descobri rapidamente que as dicas no site da Adobe e em alguns fóruns, mas não deram certo. Após uma conversa com alguns colegas, recebi a dica de abrir o arquivo na versão CS6 do Indesign ou outras versões mais antigas. E deu certo…

Como funcionou, resolvi compartilhar o passo a passo com meus velhos amigos de guerra. Se eu precisei, mais alguém também pode necessitar…

Vamos lá…

Leia as dicas e confira na imagem abaixo…

Passo 1: instalar a versão CS6 do Adobe Indesign, caso não o use, é claro! Lá no Creative Cloud, acesse: Indesign/Gerenciar/Outras Versões. Escolha a versão CS6 (8.0).

Passo 2: Caso apareça uma janela informando que a atualização automática será desativada. Dê OK e vá em frente. Se algum outro software da Adobe estiver aberto, deve aparecer outra janela solicitando que feche os aplicativos. Feche e continue.

Obs.: é possível que apareça mais uma janela de aviso dizendo que seu MAC não está otimizado. Clique em OK e continue (usei no MAC, acredito que no PC seja bem similar).

Passo 3: acesse a pasta onde seus arquivos estão gravados e abra, um por vez, pelo Adobe Indesign CS6.

Obs.: é possível que não tenha as fontes instaladas. Aparecerá uma  janela bastante comum de “fontes perdidas”. Basta instalar e tudo bem.

Passo 4: após abrir, ele deve indicar possíveis inconsistências entre o Adobe Pagemaker e o Indesign. Afinal, são programas diferentes e você terá que fazer os ajustes finos. O interessante é que ele vem com os estilos e as cores do arquivo anterior.

Pronto! Agora é só salvar em .INDD e ser feliz…

 

 

Espero ter contribuído com os demais colegas…

Se gostou e deseja que outras pessoas possam saber mais sobre o tema, curta e compartilhe esse artigo!

Eduardo Meneses (Designer Gráfico, Consultor em Design, Ex-Presidente da ADEGRAF)